Relatório do deputado Edio Lopes sobre a venda direta de etanol é lido na Comissão de Minas e Energia

Foto: Natanael Alves / Liderança PL

O deputado federal Edio Lopes (PL/RR) leu na manhã de hoje, 25, em reunião na Comissão de Minas e Energia, o seu relatório ao Projeto de Decreto Legislativo (PDC) nº 978/2018, de autoria do senador Otto Alencar (PSD/BA), que trata sobre a venda direta de etanol das usinas para os postos de combustíveis.

Em seu parecer, o parlamentar destaca que em localidades próximas às usinas, o combustível comercializado seria vantajoso economicamente, mas por questões do frete e da logística, os postos distantes não poderiam vender o produto por um preço semelhante. “Hoje, um mesmo veículo direcionado da distribuidora transporta não somente o etanol, mas também gasolina e diesel, por exemplo, e no caso da venda direta, o veículo deslocado da usina produtora levaria apenas o etanol aos postos de combustíveis”, destacou.

Segundo dados apresentados pelo deputado Edio, apenas 0,2% dos 41 mil postos de venda de combustível no varejo estão situados num eixo de até 50 km das usinas. “Portanto, o argumento de que a venda direta de etanol seria barateada, visto por essa linha de raciocínio, é insignificante”, destacou.

Vários parlamentares presentes na reunião registraram apoio ao parecer apresentado. O deputado federal Arnaldo Jardim (Cidadania/SP), presente na reunião, concordou com o relatório lido e ressaltou o cuidado e a responsabilidade que o deputado Edio teve em estudar a matéria. “Destaco alguns pontos que são muito positivos daquilo que foi o resultado do parecer do deputado Edio. Primeiro, o cuidado para que tenhamos a tributação preservada, pois sabemos que é fundamental para a maioria dos estados. Destaco também que o deputado não se colocou contra a venda do etanol, mas sinaliza que antes disso os estados e a união têm que resolver a questão tributária. O deputado Edio se pronuncia contra o PDC na medida que no momento ele é inviável”, completou.

Nosso mandato é participativo!